RETRATO DE UM FIM DE TARDE

RETRATO DE UM FIM DE TARDE
Mercêdes Pordeus
Recife/Brasil
 
Eu senti a necessidade de me encontrar com a solidão
Não uma solidão que me conduzisse a tristeza, isso não.
Mas, uma forma de meditar como conduzia minha vida.
Eu estava introspectiva, fixei meu olhar sem pretensões.
Divaguei num ponto, no qual apenas a natureza me guiava.
 
Era como se me deixasse retratar numa obra de arte
Onde só o artista me fitava docilmente e pincelava
Transcendendo a linha daquela linda paisagem física
Que só alguém com muita sensibilidade transformava
Alguém que traduz com a singeleza das mãos… a vida.
 
Era o crepúsculo, o sol já tão pertinho do horizonte!
Inspirava o pintor como a relação entre poeta e poesia
Era uma linda mistura do azul do dia e o escuro da noite
Os matizes formavam lindos nuances num belo contraste
Eram cores suaves que se misturavam com a paisagem.
 
O verde, o azul, o amarelo, as montanhas pareciam magias.
Transportei-me como uma pluma no ar, com doce maestria.
Acordei… E não queria acordar! Mas enfim daquele momento…
Sobrou algo que nunca pude esquecer, vi naquela tela o talento.
De quem tem nas mãos o dom de fazer a linda poesia colorida.
 
Transformando em obra de arte meu desejo de fim de tarde.
 
Em 23/10/2007
(especial para as Letras da Pintura, quadro "Fim de Tarde no JD de
Maguetas"  de Washington Maguetas)
 
 
Anúncios
Esse post foi publicado em POEMAS. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s