O VARREDOR

O VARREDOR

Mercêdes Pordeus

Recife/Brasil

 

Varrendo a rua não importando se de noite ou dia.

O varredor com dedicação, o seu trabalho desempenha.

Pessoas passam indiferentes sem desejar bom dia

E não o agradecem pela a nobreza do seu empenho.

 

Ele varre toda a sujeira, os borralhos a vida inteira.

Não se importa se feitos por crianças ou adultos

Está ali, e permanece no seu silêncio absoluto.

Uma criança rompe do seu silêncio as fronteiras.

 

Apenas uma criança… Uma criança de rua!

Dedica um pouco do seu tempo e continua…

Observa o homem solitário no seu mundo imaginário

Criança que vive a indiferença do mesmo mundo arbitrário.

 

Pergunta ela: Por que você está tão triste? 

O homem fica calado e a criança insiste.

– Você não vê, nem pareço ser humano!

Todos passam felizes, mas me ignorando.

 

Fico aqui varrendo, varrendo… incansavelmente

As pessoas passam e fingem que estou ausente

Assim como fazem com você, não percebe?

Nem se quer um pouco de carinho do irmão recebe.

 

E assim aquele homem continua a sua varredura

Varra amigo, só lhe peço, não perca a sua postura.

Nunca varra desse seu limpo e nobre coração

A esperança de que um dia aprendam uma lição.

 

De que todos têm uma alma e um coração

Que perante Deus nós somos todos irmãos

E que Ele entre nós não fez e nem fará acepção

Recebe-nos com a mesma afeição e sem distinção.

 

Em 28/05/2008.

 

http://ecosdapoesia.net/cenarios/roberto_bergamo/bloco4.html

 

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário

O SERTÃO NO CORAÇÃO

O SERTÃO NO CORAÇÃO

Mercêdes Pordeus – Brasil

 

Conhecer o sertão é um caso de admiração!

Fala-se em seca, escassez, desertificação.

O sertanejo abandona seu querido torrão

Para as cidades sem vontade faz a migração

No solo escasso, só as palmas e mandacarus.

Prevalecem, insistindo em vencer o ônus.

E o luar dourado sem perceber a situação

Continua lá no céu assistindo o sertanejo

Levando consigo a família, às vezes um cão.

Fala-se sobre, do São Francisco a transposição.

Quem sabe um dia aquela família num lampejo

Volte para suas terras para cumprir seu desejo

Pisar uma terra sem as rachaduras num festejo

Contemplar ao longe uma verde vegetação

Mas, não só dos cactos rever a floração.

Enfim, o velho Chico há de lhe trazer.

O prazer do luar do seu sertão reviver

E desta vez há de receber também o bônus

Quem disse que o sertão não é lindo de viver?

 

08/04/2008

 

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário

Falando sobre MERCEDES PORDEUS

 

Citação

MERCEDES PORDEUS

Publicado em Sem categoria | Deixe um comentário

Quando Ele voltar…

Mercêdes Pordeus

Recife/Brasil

 

Quando Ele aqui voltar, certamente nos dirá:
Vinde filhos meus, já vos preparei  o lindo lar.
Assim como vos prometi, quando ao Pai subi.
Quando cumpri a vontade do PAI, ao  resgatar,
a criatura que na terra colocou  para dela cuidar.
Certamente, prestação de contas vamos dar.


Desde a natureza que nos colocou nas mãos
Até o cuidado e carinho com nossos irmãos.
Assim ensinou com a Parábola do Semeador.
Preparemos pois, o solo do nosso coração,
a fim de receber a semente que plantamos.
E multiplicar os talentos que dele recebemos.

Que saibamos proceder para ocupar a morada,
que Ele foi preparar no Reino dos Céus
para nos receber, como nos prometeu.
Louvemos ao Pai, Filho e ao Espírito Santo.
O que era, que é e que há de vir.

Amém!

 

Visite esta linda ciranda:
 

 

Em 14.09.2005

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário

PEQUENOS GESTOS… GRANDES SENTIMENTOS

PEQUENOS GESTOS… GRANDES SENTIMENTOS

Mercêdes Pordeus

Recife/Brasil

 

 

Um desejo de bom dia

Rompe o silêncio absoluto

Dá ao semelhante a garantia

De desarmar o interno luto.

 

Um abraço… Reedita uma história

Transforma uma vida simplória

Dela varre a parte vivida inglória

Para que na solidariedade alcance vitória.

 

Um toque… Rompe as barreiras

Abre entre os povos as fronteiras

Deixa a paz reinar na vida inteira

Transformando-a em boa sementeira.

 

Um gesto de carinho… Um afago

Tira do semelhante o gosto amargo

Que a vida possa ter-lhe imposto

Ao seu longo através do desgosto.

 

Um gesto de bondade… E ternura

Apaga de uma vida um triste cenário

Acorda o irmão com brandura

E torna o mundo mais igualitário.

 

Pequenos gestos que nos aproximam

Minimizam da vida o sofrimento

Afastam atitudes que nos aniquilam

E desabrocham grandes sentimentos.

 

Em 02/10/2007

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário

SENHOR DIANTE DE TI…

 

SENHOR! DIANTE DE TI…

Mercêdes Pordeus

Recife/Brasil

 

Senhor! Diante do Teu poder…

Humildemente me ajoelho e me rendo

Sinto-me impotente e me compreendo

Eu o recebo e te sinto sempre presente.

 

Senhor! Diante de Tua grandeza…

Sendo Tua criatura, sinto-me pequena.

O mundo me deste com maior beleza

Dele sou parte, fizeste-me valer a pena.

 

Senhor! Diante da Tua presença…

Sinto-me forte, pois me fortaleceste.

Quando sobre mim puseste as mãos

E fizeste que Tua luz resplandecesse.

 

Senhor! Diante da Tua luz…

Saí fortalecida da batalha interior

Serei forte? Serei fraca? Serei inferior?

Mostra-me com clareza o meu valor.

 

Senhor! Diante do Teu amor…

Desse amor que de Ti emana com fulgor

Dele recebo a claridade que se irradia

Permanecei em mim como a Parousia.

 

07/07/2007

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário

O CORAÇÃO QUE TE DEDICO

 

 

 

O CORAÇÃO QUE TE DEDICO

Mercedes Pordeus

Recife/Brasil

 

O coração que te dedico não é puro

Hás de compreender da vida os apuros

Mas, é sempre um aprendiz, eu te juro.

Para que não se deixe pulsar no obscuro.

 

O coração que te dedico não guarda segredo

Aprendeu a transformar a dor em brinquedo

Com as dores já começou a lidar muito cedo

Por isso, acostumou-se a banir de si o medo.

 

O coração que te dedico é o coração que te ama

Com a sua grandeza ele mantém acesa a chama

E quando pulsa é porque esse amor proclama

Se não for atendido, com docilidade reclama.

 

O coração que te dedico não é covarde

Obedece a uma chama interna que arde

Por vezes ele acelera provocando alarde

Ao se acalmar, a tranqüilidade lhe invade.

 

O coração que te dedico é constante

Não oscila sem ritmo a todo instante

Mesmo ele sabendo que estás distante

Ainda assim sente que estás presente

 

O coração que te dedico é humano

Ele não guarda rancor nem engano

Compadece-se do irmão em abandono

Na sua dor se irmana com retorno

 

É esse o coração que te dedico verdadeiramente

Se o aceitares nos transformaremos lentamente

E com o seu palpitar viveremos intensamente

Com ele morreremos, porém metaforicamente.

 

Em 19/07/2007

Publicado em POEMAS | Deixe um comentário