AS DORES DA NATUREZA

AS DORES DA NATUREZA
Mercedes Pordeus
Recife/PE
 
Eu queria ter-te em meus braços
Assim te acarinhar em meu regaço
E te acercar com o meu abraço
Dar-te o carinho negado ao teu espaço
E da tua luta indefesa aliviar o cansaço.
 
Levantar feliz a tua bandeira
Empunhá-la firme e altaneira
De ti servir como uma sementeira
Ver-te bela e sempre lisonjeira
Sendo assim a estação primeira.
 
Sinto tanto ver-te tão triste assim!
Do teu canteiro cortaram o jasmim
Entristeceste-te por ti e por mim
Ah! Minha querida irmã natureza!
De ti, estão roubando a beleza.
 
Perguntas-me por te denominar irmã?
Minha querida, bela e ingênua natureza
Esqueceste? Somos filhas do mesmo criador!
E é por ser tua irmã que sinto a tua dor
Porque perdeste o brilho pelo devastador.
 
Amazônia! Amazônia! Devastada…
Hoje piso no teu solo desesperada
Por te ver tão triste e desamparada
Da bainha tiram a grande e vil espada
Que te feriu ao longo de tua jornada.
 
Boa Vista/RR
Mar/2007
Anúncios
Esse post foi publicado em POEMAS. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s