DO OUTRO LADO DO ESPELHO

DO OUTRO LADO DO ESPELHO
Mercêdes Pordeus
 
Frente ao espelho, refletindo minha imagem
Tive uma percepção daquela superfície plana
Fazia-me refletir sobre o curso de minha vida
Pois, ali, naquele momento surgia uma incógnita:
materializavam-se  minhas vivências como flash.
 
Ação! Iniciava um filme, o meu retorno à infância
Saudosa infância! Eu estava na máquina do tempo
Eu queria voltar àquela casa, junto aos meus pais,
sete irmãos e minha avó, e aí atravessei o espelho.
De repente, senti-me Alice no País das Maravilhas.
 
Como se transportada pela leveza dos sonhos
À minha mente vieram as imagens da infância
Infância, aurora da vida que o tempo já não traz
Nossa caminhada diária, crescendo numa união
nosso pai a trabalhar, e nossa mãe na lida diária.
 
Galguei mais um degrau:cheguei ao colégio e a igreja
Minha primeira professora, das mãos da qual eu fugia,
era uma fuga diária, e eu corria com tamanha rapidez
Que antes de minha mãe, em casa eu sempre chegava.
 
E os Natais, as festas juninas…quantas saudades!
Porém, naquele momento eu me sentia muito feliz
Afinal, atravessei o espelho, e estava do outro lado
Dava asas aos meus devaneios, os sonhos embalava
Revivi as brincadeiras da época, o colégio de freiras.
 
A certa altura, já não podia minha viagem continuar
Tinha que voltar, não podia prosseguir como a Alice
Daquela terra distante voltei, pois tinha que voltar
Atravessei de novo o espelho voltando à realidade
Mas, sonhar alivia a alma, ausências, a ansiedade.
 
O retorno não me privou de render o meu tributo
Àqueles que amei e partiram, sempre os amarei
E aos que comigo continuam, mas se enquadram
naquele quadro do passado que jamais esquecerei
Novo amor encontrei, sou feliz com os que amo.
 
Novamente, em frente ao espelho, a ele perguntei
– Você se permitiu ser atravessado? Foi realidade?
Ou foi um sonho? E ele sem pensar duas vezes:
– E mesmo que tenha sido um sonho, que mal há?
Você se permitiu essa liberdade… é o que importa.
 
Ficou em minha mente uma incógnita
Para a qual não encontrei a resposta
Mas para que respostas, se eu fui feliz
Na minha linda viagem ao meu passado
Eu fui criança, senti-me criança de novo!
Anúncios
Esse post foi publicado em POEMAS. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s